Teologia de Boteco | Pornografia, com Monalisa de Moraes – #052

Hoje, meus amigos e minhas amigas, vamos falar daquilo que o povo gosta (mas não assume). Chamei a dona Mona, pra falarmos de pornografia…

Puxa um banquinho e vamos que vamos!

 

PS.: É importantíssimo ressaltar que este episódio foi gravado a mais de um mês atrás, e por conta de um acidente com meu computador, não pude publica-lo antes. Ou seja, o EP foi gravado muito antes do fiasco com o QUEERMUSEO no Santander Cultural, orquestrado pelos garotos do MBL (um movimento de LIBERAIS que organiza censura contra artistas) assim como, antes da ABSURDA PROPOSTA DE CURA GAY disfarçada de projeto para propor a LIBERDADE CIENTÍFICA (falamos disso no ultimo programa), mas ainda assim, apresenta opiniões que fazem eco com muitas das opiniões manifestas por mim, Cristiano Machado.

As opiniões expressas aqui não refletem, necessariamente, o pensamento de todos os integrantes do coletivo CRENTASSOS.

Teologia de Boteco 52 Pornografia

  • É pau é pedra – podcast – Aqui
  • Depois que o Pornô acaba – Aqui
  • Hot Girls Wanted  – Aqui
  • A Máscara Em Que Você Vive – Aqui
  • O Papel da pornografia na cultura do estupro – Aqui
Reproduzir
Posted in Teologia de Boteco and tagged , , , , .
  • David Balotin

    Digitei “quero pornografia nua pela pornor” no google cai em um site chamado CRENTASSOS. Que tipo de artimanha é essa?

  • “O conceito de estratégia, em grego strateegia, em latim strategi, em francês stratégie… Os senhores estão anotando?”

  • Caio Cesar Scholze Cirine

    Esse episodio foi o que me deixou mais perturbado. NOSSA, EU ACHEI MUITO CREEP OS TEMAS DE PORN. Não sou ultra versado em porns, mas os temas que citaram me deixaram ASSUSTADO. Caralho. Quem consegue se excitar vendo essas coisas? D:

    O sobre o documentario “The mask we live in” É UM PUTA DOCUMENTARIO SENSACIONAL! :3

    Valeu gente por esse programão da porra <3

  • Me identifiquei demais com o consumo de porn da Mona e sobre se sentir meio mal depois.

    Posso afirmar, também, que é um esforço ignorar o tanto de categorias escrotas e criminosas mesmo, de vídeos com situações terríveis.

    Mas o que mais me assusta, e acho que a Mona esqueceu, é a quantidade de materiais que simulam INCESTOS!

    Uma exposição com os números de acesso de todas estas categorias citadas só não deixariam o funkeiro do MBL enojado.

  • Mano… é pior do que o Em Alta do Youtube… vide meu comentário.

  • Tia do Bátima

    Caras! Quero muito ser amigo da Mona. Ela trouxe umas coisas muito interessantes pra discussão. E o Barba é sempre esse lindo. Pena que não posso casar de novo…

    Meus dois centavos:

    Uma treta também bem séria e que é um retrato de nossa terra adorada é o último relatório de estatísticas do Pornhub, que destaca que o termo mais buscado no Brasil é “novinha”.

    Além disso, já vi uns documentários (que não lembro o nome mais, já tem muito tempo) em que atores e atrizes pornôs eram entrevistados. Esses documentários eram tanto brasileiros quanto estrangeiros, e uma coisa era muito clara: por mais que a mulher desejasse aquele trabalho e se sentisse realizada, a vivência no trabalho e fora dele é muito estigmatizada pela dominação masculina. Em contraste, lembro de um brasileiro que disse que saía com os parentes homens na rua e os outros homens transeuntes cumprimentavam e elogiavam ele. Complicado isso…

    Agora, discutindo a pornografia em si, acredito que temos que deixar de ser carolas. A sexualidade ainda é pecaminosa na nossa sociedade – seja qualquer modalidade de sexo, mesmo aquela que mais se encaixa nos padrões puritanos. No entanto, é bem comum encontrarmos na história da arte a pornografia como uma exaltação deste que é uma das vivências mais sublimes do seru mano. O próprio livro dos Cânticos é uma literatura pornográfica (quase um “Cinquenta tons de cinza” israelita). Acredito que se a discussão sair do plano moral e passar a ser feita de forma mais elaborada em termos éticos e estéticos vamos poder conquistar muito mais e parar de gerar sofrimento e morte por aí.

    Por fim, esse trem do Queer Museu… Achei bacana a gravação ter sido feita antes da treta, assim vocês não perderam tempo com as bobagens do MBL.

    Um amplexo ursídeo bem grandão.

  • Episódio perturbador é a melhor expressão. Esse teologia de Buteco sempre surpreendendo nas pautas. Parabéns mesmo.

  • Oi a todos!

    Meu nome é Tiago de Lima Castro, sou músico e filósofo, ou seja, um aprendiz de mendigo.

    Achei muito legal toda a discussão. Pessoalmente, nunca curti pornô e não por uma questão moralista, mas por parecer tão fora da realidade. Tem filmes eróticos que são mais interessantes, mas essa não é muito minha praia.

    Tenho a impressão que o pornô normalmente é feito como uma masturbação estendida, no qual tudo é uma extensão do pênis masculino, como se tudo fosse uma extensão do prazer masculino e menos do feminino.

    Um filme bem interessante sobre isso é o Shame, dirigido pelo Steven McQueen. O personagem principal é o Brandon, interpretado pelo Michael Fassbender, é o personagem típico que todo homem sonha em ser: tem um pênis enorme – O George Clooney chegou a entregar um prêmio do Globo de Ouro ao Fassbender e brincou se ele joga golfe com o pênis -, tem compulsão por sexo, masturba-se do dia todo, consome altas doses de pornografia, é bonito, bem sucedido, consegue encantar qualquer mulher a ponto de só sair de casa e consegue sexo com alguém, caucasiano, e por aí vai. O filme vai desconstruindo o personagem e o próprio vício em sexo, ao ponto do personagem quando tem efetivamente interesse amoroso em alguém, não consegue transar, pois para ele, sexo é uma satisfação de si e prazer mútuo prazer com o outro. É um filme bem interessante.

    https://youtu.be/suUf8P85YxU

    O pornô talvez seja a forma mais enfática de mostrar como as convenções sobre sexo em uma sociedade em que este é uma espécie de imperativo categórico, a semelhança das proposições de Sade, o sexo é o maior desconhecido e fantasiado em torno dos anseios de poder masculino.

    Muito legal toda a reflexão de vocês sobre como ele forma práticas, estéticas e convenções do padrão de beleza.

    Tudo de bom a todos!

  • Marcos Matias

    Queria dar um abraço na mona qd acabei de ouvir <3 rsrs
    Esse podcast tem conselhos que todos os homens deviam ouvir.

  • Adorei a discussão, e confesso (sem mentiras) que nunca tive vontade de consumir esses materiais justamente pelo que vcs citaram, impossível reproduzir aquilo na vida real ou achar que a parceira tem que se submeter à tudo. Fora que se o cabra consome algo soft, tá abrindo as portas pra drogas mais pesadas e bizarrices que ser humano de bem nenhum devia tentar…ou assistir

    Caramba que me senti meio caretão escrevendo isso acima, mas é a vida

    Parabéns pelo cast, novamente o Teologia mostrando que nenhum tema é tabu pra vcs